conecte-se conosco

Cultura

“Não sentir dor é recreativo”, afirma paciente com esclerose múltipla

Como diferenciar o uso medicinal e recreativo de Cannabis?

Published

on

Por Lucas Milanez

A resposta para a pergunta pode parecer óbvia, mas talvez seja passível de discussão. O consumo de Cannabis durante o século XX foi tratado pelas propagandas governamentais como um desvio de conduta, ideia que vem sendo minada, principalmente, devido ao reconhecimento dos benefícios terapêuticos da planta. No entanto, até que ponto é possível diferenciar o que é “recreativo” ou “medicinal”?

Normalmente, identifica-se o consumo recreativo quando uma pessoa ou grupo de amigos fuma para “ficarem doidões”, enquanto o uso medicinal é feito por pacientes que sofrem de epilepsia, Parkinson ou câncer, por exemplo.

As propriedades analgésicas da planta, todavia, estão presentes também naquele “baseado” que passa na roda da galera. Pessoas com fobia social podem “se soltar” e desenvolver diálogos com facilidade após consumirem um cigarro canábico, explicou o dr. Marcello Bausells durante sua palestra na Feliz 420. Alguém que chega em casa após dura jornada de trabalho pode acender o seu “beck” com o intuito de se divertir um pouco, mas é provável que ele terá uma noite de sono mais bem dormida, aliviado da ansiedade e estresse que minaram sua saúde durante o dia.

Gilberto Castro, 45, foi diagnosticado com esclerose múltipla em 1999 e consome Cannabis desde então para aliviar os sintomas da doença. Seu médico havia lhe dado cinco anos de vida útil após a descoberta da doença, mas com o uso da planta ele já pôde comemorar mais 20 anos com qualidade. Questionado sobre se fazia uso recreativo de Cannabis, Gilberto devolve a pergunta: “Mas, o que é recreativo ou medicinal? Isso é muito relativo. Não sentir dor é algo extremamente prazeroso. Isso é recreativo?”, disse.

Independentemente do caso, consultar um médico é fundamental para que se possa encontrar o remédio apropriado – seja ele a Cannabis, ou não -, suas doses recomendadas e forma de uso (fumar a planta, por exemplo, tem consequências à saúde devido à inalação de gás carbônico). Desconstruir os altos e reforçados muros entre os conceitos de uso recreativo e medicinal, por sua vez, pode ser importante para que as novas gerações tenham educação apropriada a respeito de todas as substâncias que o ser humano utiliza para garantir algum prazer ou bem-estar.