conecte-se conosco

Cultura

Legalização da Cannabis poderia ser samba-enredo

Histórico do proibicionismo e luta de famílias pelo remédio seriam destaque

Published

on

A história da Cannabis “dá pano pra manga”. Aqui, no Cannabidiol Brasil, reunimos as principais novidades no campo da pesquisa científica, desenvolvimento do mercado canábico, vitórias legislativas pelo mundo e o envolvimento da planta com a música e com a arte em geral, além de apresentarmos versões históricas sobre os motivos da proibição. Será que todo esse conteúdo não inspiraria um belíssimo samba-enredo para alguma escola de samba desfilar na Sapucaí ou no Anhembi?

Para começar a pensar, é importante colocar em perspectiva a relação da Cannabis com a cultura negra. De acordo com historiador que participou de debate na Câmara de São Paulo, a proibição remonta aos tempos de escravidão, na medida em que os senhores acreditavam que o consumo da planta prejudicava o desempenho dos trabalhadores. Logo, proibí-la era necessário para aumentar seus lucros.

Colocando esse argumento histórico num contexto mais atual, uma analogia com a repressão policial dos tempos modernos poderia ser feita. Por que proibir uma planta que “expande o pensamento”, cura doentes e que nunca matou ninguém? Talvez, uma adaptação da letra de “Legalize Já”, do Planet Hemp, ou de “Leonardo Dá Vinte”, de Bezerra da Silva, caberia no samba-enredo.

Podemos viajar ainda mais no tempo. Existem registros de consumo de Cannabis em bongos de ouro por líderes guerreiros na antiga Rússia e também por vikings, os quais utilizavam o cânhamo para produzir bolsas e tecidos. As alegorias dessa ala seriam incríveis.

As histórias da famílias que buscam acesso ao medicamento canábico estariam na linha de frente do desfile. Pessoas em tratamento de epilepsia, câncer, autismo, fibromialgia e uma série de outras enfermidades lutam contra um tabu que se apoia em preconceito e falta de informação. Na medida do possível, alguns pacientes poderiam inclusive participar da passeata. Certamente, emocionante seria.

Será que alguma escola de samba encamparia a ideia? Deixamos, aqui, mais uma sugestão para tornar histórico o próximo Carnaval.