conecte-se conosco

Legislação

Bob Burnquist defende retirada de canabinoides da lista de doping para atletas

Ex-skatista comenta desafios de seu novo cargo na gestão do esporte

Published

on

Dez vezes campeão mundial, 30 vezes medalhista nos X-Games e sete vezes eleito como melhor skatista do ano, Bob Burnquist passou para área de gestão no esporte como presidente da Confederação Brasileira de Skate (CBSK). A modalidade será uma das cinco novidades das Olimpíadas de 2020, em Tóquio, algo que demanda esforços rumo à profissionalização do esporte. Nesse contexto, uma das iniciativas do dirigente é educar os atletas quanto aos cuidados sobre doping no esporte, havendo uma ressalva: a defesa dos canabinoides.

Burnquist entende que as substâncias presentes na Cannabis não deveriam entrar na lista de proibidos da Wada (Agência Mundial Antidoping). De acordo com o presidente da CBSK, os canabinoides são mais eficientes e menos prejudiciais que os opioides no tratamento de dores.

“Deveríamos iniciar um movimento para que ela deixe de ser proibida. Ela é uma substância que ajuda no combate a dor e a não usar os opioides. Existem certos opioides que não são doping, mas te viciam e estragam o organismo. Já a cannabis, que é natural, não tem efeito colateral e acaba sendo a melhor forma de lidar com a dor, não pode”, argumentou Burnquist.

No início do ano, a Wada retirou o canabidiol da lista de substâncias proibidas. Outros canabinoides, como o THC, continuam não sendo permitidos.

Fonte: Notícias ao Minuto.