conecte-se conosco

Legislação

General defende legalização das drogas e afirma que proibição só “aumenta a lucratividade”

Published

on

Alberto Mendes Cardoso é general da reserva do Exército brasileiro. Se engana, no entanto, quem imagina que sua posição sobre drogas é proibicionista: ele defende a legalização de todas as substâncias, mas de forma gradual e começando pela Cannabis. Isso se daria a partir de 2034, após anos de campanhas de prevenção ao uso.

Doutor em Ciências Militares pela Eceme (Escola de Comando e Estado-Maior do Exército), Cardoso foi ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) durante o governo de Fernando Henrique Cardoso. Ele criou a Abin (Agência Brasileira de Inteligência), a Senad (Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas) e o Programa de Integração e Acompanhamento de Políticas Sociais para Enfrentamento dos Indutores de Violência.

De acordo com o general, a liberação das drogas deve acontecer, primeiramente, por se tratar de uma liberdade democrática. “Não se pode manter uma nação proibida, uma sociedade manietada. A proibição vai contra a natureza humana e, em última análise, contra a democracia”, argumentou.

Ele também acredita que muitas pessoas resistem à legalização porque lucram mais dessa forma. “Uma grande quantidade de pessoas envolvida nisso aí não quer nem pensar em legalização porque a lucratividade do seu crime depende muitíssimo da situação de ilegalidade da atividade”, disse após palestrar no 14° Enecob (Encontro Nacional de Editores, Colunistas, Repórteres e Blogueiros), em Brasília.

“Quem é que ganha com isso (a proibição)? Só o traficante e o usuário? Nessa cadeia tem muito suborno”, completou Cardoso, referindo-se à grande rede de milícias que participam do tráfico de drogas e envolvem, inclusive, policiais militares.

Seu plano contempla fortes campanhas educativas contra o uso e drogas para que, em 2034, seja avaliada a possibilidade de legalização. “Tem que ter uma métrica, de ir avaliando os efeitos. Pode ser que chegue em 2034, e se diga: Não, não, nossa garotada ainda não está pronta”, ponderou.