conecte-se conosco

Legislação

Ministro italiano declara “guerra à Cannabis”

Político ordenou o fechamento de lojas e disse que prefere legalizar a prostituição porque “o amor faz sempre bem”

Published

on

Matteo Salvini, ministro do Interior e vice-premier da Itália, tomou posição que vai contra o movimento de legalização da Cannabis que tem acontecido no mundo inteiro. O político determinou o fechamento de três lojas de “Cannabis light”, uma espécie da planta que contém apenas 0,2 % de THC, as quais estão amparadas por lei desde o início de 2017.

“A partir de hoje, começa uma guerra rua por rua, loja por loja, bairro por bairro, cidade por cidade”, declarou Salvini durante comício em Pesaro. Seu argumento é de que os estabelecimentos são “pontos turísticos da maconha” e que estariam vendendo produtos com quantidade acima da permitida de THC.

“Agradeço às forças de ordem e à magistratura porque está em curso o fechamento de três cannabis shops em Macerata, Porto Recanati e Civitanova Marche”, afirmou.

Ele ainda comparou a venda de drogas com a prostituição, defendendo que o comércio sexual seria algo mais benéfico ao país. “A droga faz mal, se for preciso legalizar ou liberalizar alguma coisa, melhor a prostituição, uma vez que o amor faz sempre bem, principalmente de maneira protegida e controlada”, disse Salvini.

O ministro sofreu críticas até mesmo de seu vice, Carlo Sibilia. “Não vejo motivo para fechar as lojas. O Estado deve estar próximo às pequenas e médias empresas”, lamentou Sibilia, que faz parte do Movimento 5 Estrelas, partido com projeto de legalização do cultivo e venda de Cannabis.

Giulia Grillo, ministra da Saúde e correligionária de Sibilia, também é contrária ao fechamento da lojas, na medida em que, em sua visão, os estabelecimentos não estão infringindo a lei.

Imagem: Reprodução/Instagram