conecte-se conosco

Legislação

Nova Zelândia legaliza Cannabis medicinal

Alívio de dores crônicas é principal foco da medida

Published

on

Na última semana, a Nova Zelândia seguiu o exemplo de países como Canadá, Uruguai e alguns estados dos EUA. Seu parlamento aprovou a legalização do uso medicinal da Cannabis, permitindo o acesso para pacientes com dores crônicas e mediante prescrição médica.

A alteração legislativa se tratou de alterar a classificação do canabidiol: de “droga controlada” para “medicamento fornecido sob prescrição”. As empresas que quiserem produzir o remédio, além de servir ao mercado nacional, terão a opção de exportar.

Neozelandesas já tratavam endometriose com Cannabis

endometriose é uma condição em que o endométrio, tecido que normalmente reveste o útero, encontra-se também em outros órgãos da pelve, como trompas, ovários, intestinos e bexiga. A doença afeta uma em cada dez mulheres, sendo possível apenas administrar os sintomas – parte deles são dores intensas na região pélvica.

Depois do uso de uma série de opiáceos, os quais dificultavam o andamento de sua rotina diária, a neozelandesa Doris*, vítima da endometriose, resolveu apostar nos derivados da Cannabis. Ela conseguiu pílulas de CBD com uma amigo que se tratava de câncer e obteve ótimos resultados. “Isso foi uma mudança de vida. Significou que eu não estava com muita dor e poderia levantar e fazer coisas”, contou Doris.

No entanto, após o fim da terapia da colega, ela precisou recorrer ao comércio ilegal da planta, passando a vaporizá-la. A situação deve mudar a partir de agora, na medida em que a Nova Zelândia legalizou o uso medicinal da Cannabis.

Deborah Bush, da Endometriosis New Zealand (ENZ), destacou que o grupo “acredita que o foco no tratamento da endometriose deve ser garantir que as mulheres tenham acesso aos cuidados e tratamento de que precisam, que os sintomas sejam reconhecidos precocemente e tratados adequadamente, que as questões sociais associadas e os preconceitos de gênero sejam abordados”, reconhecendo a dor das mulheres costuma ser subestimada pela sociedade.