conecte-se conosco

Legislação

Rejeitadas pelos bancos, empresas canábicas sofrem para pagar impostos

Empreendedores aderem à “moda antiga” para armazenar dinheiro

Published

on

Em meio à disputa entre a legalização nos estados e a proibição do governo federal dos EUA, os empresários da Cannabis sofrem para realizar operações bancárias. O fato de a legislação nacional não permitir atividades canábicas impede as companhias do ramo de abrirem contas, tendo que realizar procedimentos “secretos” para guardar dinheiro e pagar impostos.

“Podemos ser multados por mudar a localização de um interruptor de luz sem avisar o departamento de construção, mas não podemos ter uma conta bancária”, desabafou Charity Gates, da Colorado’s Best Dabs – empresa de processamento de Cannabis para extração de óleos concentrados usados na fabricação de alimentos como brownies e chás.

O pagamento de impostos é feito como antigamente: acompanhada de um colega, vai de carro até um escritório da receita federal com até US$ 20 mil em mochilas ou sacolas. “Ficamos tensos todas as vezes”, disse a empresária, temendo assaltos durante o percurso.

No Havaí, onde a Cannabis foi legalizada para fins medicinais, a situação é semelhante. Tai Cheng, diretor de operações da Aloha Green Apothecary, diz que lida praticamente só com “dinheiro vivo”. Nenhum banco ou cooperativa de crédito permitem a abertura de conta. “Pagamos nossos impostos direitinho e o governo aceita o dinheiro alegremente. É ridículo ter que passar por todas essas dificuldades”, lamentou Cheng.

Na falta de alternativas, uma opção disponibilizada pelo governo é o CanPay, sistema de pagamento móvel para pacientes de Cannabis medicinal que atua em parceria com uma cooperativa de crédito do Colorado. Cheng explica que, no entanto, poucos pacientes utilizam o sistema, dificultando a adesão integral ao CanPay.

Peter Conti-Brown, professor assistente de Estudos Jurídicos e de Ética nos Negócios na Universidade da Pensilvânia, questionou a situação, argumentando que barrar o acesso dos empresários canábicos ao sistema bancário federal aumenta a chance de sonegação de impostos. Além disso, a insegurança desses empreendedores é latente, uma vez que precisam conviver com grandes possibilidades de roubos devido ao armazenamento e transporte de cédulas. “Os bancos e as empresas de Cannabis estão no meio do fogo cruzado”, disse Conti-Brown.

 

Fonte: Gazeta do Povo.