conecte-se conosco

Mais

Ex-jogador da Seleção defende legalização da Cannabis

“É remédio”, afirmou Juninho Pernambucano

Published

on

Um dos maiores batedores de falta da história do futebol, Juninho Pernambucano fez um golaço durante o Seleção SporTV. Atuando como comentarista do programa, o ex-jogador defendeu que a Cannabis não deveria ser proibida no Brasil, na medida em que se trata de um medicamento. A declaração foi feita em meio ao debate sobre o jovem atleta Diogo Vitor, do Santos, suspenso depois de ser flagrado no exame antidoping pelo uso de cocaína.

“Essa coisa da proibição não existe. Estão matando nos morros por causa de Cannabis. A Cannabis é remédio, achamos que é droga. Brasil é atrasado. Nós somos do avesso”, afirmou o craque.

Ele ainda criticou a pressão exercida sobre jogadores de futebol nas categorias de base, na medida em que são muito jovens e nem todos conseguirão se destacar como profissionais.

“Tem médico viciado, jornalista viciado. A pressão na vida te faz buscar soluções às vezes. Às vezes a pressão que o jovem consegue para conseguir se firmar não é humana. Ninguém é capaz, principalmente no Brasil [de aguentar]”, disse Juninho, que foi sete vezes campeão francês e duas vezes campeão brasileiro, vencendo também a Taça Libertadores da América e defendendo a Seleção Brasileira na Copa do Mundo de 2006, além de outras conquistas.

Walter Casagrande Jr, outro ex-jogador presente na discussão e que já foi dependente químico, criticou a punição de Diogo Vitor, de apenas 21 anos de idade, entendendo que o caso deve ser entendido como uma questão de saúde. “Ele foi pego com doping de cocaína, beleza. Afasta. A CBF tem que exigir que o clube coloque ele em um tratamento, e não que ele seja punido por seis meses independentemente do que o clube vai fazer. Não! A exigência é de tratamento”, defendeu Casagrande, ídolo do Corinthians e também da Seleção Brasileira.

Fonte: UOL e Yahoo.