conecte-se conosco

Negócios

Bilionário chinês quer produzir canabidiol no Brasil

Pink Wangsuo conversa com empresas e setores do governo

Published

on

Os investimentos de Pink Wangsuo são variados. Atualmente, seu principal negócio é uma marca de bebidas com ervas ginseng, a qual leva seu apelido como nome: Mr. Pink. No entanto, ele também possui uma empresa de criptomoedas e já foi acionista majoritário do Milan, uma das maiores equipes de futebol da Itália e do mundo. E sua mais nova aposta é o óleo de canabidiol, produto que Mr. Pink deseja produzir no Brasil.

O empresário já opera um site da marca Mr. Pink CBD, o qual vende 10 produtos: cinco óleos de canabidiol com diferentes sabores artificiais e cinco canetas vaporizadoras nos mesmos sabores. Os óleos são vendidos a 129 dólares (1000 mg) e as canetas a 12,90 dólares. O negócio ainda é novo, tendo vendido 1000 unidades até o momento, de acordo com o CEO Joel Contartese.

E Mr. Pink está de olho no Brasil. Ele acredita que o Brasil tem potencial para desenvolver um mercado bilionário, no qual ele investiria alguns milhões – já foram injetados 3 milhões de dólares no Mr. Pink CBD, por exemplo. Nos bastidores, seu objetivo é convencer as autoridades brasileiros com o argumento da geração de empregos diretos e indiretos com a integração de toda a cadeia produtiva. Outro ponto utilizado é a possibilidade de se produzir tecido através do cânhamo, algo que poderia substituir o algodão.

“O Brasil é o maior país da América do Sul e as oportunidades só crescem, com boas terras, água potável, clima e uma grande população trabalhadora. O canabidiol ainda não tocou esse mercado e nem a América Latina como um todo”, diz Mr. Pink.

Ele ainda acredita na superação de segmentos relacionados, como o de cigarros eletrônicos, e aproveita para cutucar o Brasil pelo fato de haver uma “incorporação tardia” dos costumes estadunidenses. “Se pudermos entrar, acredito que seremos maiores do que os cigarros eletrônicos. Não estamos aqui para nos divertir, e sim para avançarmos o mais cedo possível, já que o Brasil costuma incorporar modas americanas com alguns anos de atraso”, completou o bilionário.